fbpx

CMEC da Facesp vai apoiar a campanha Abrace o Marajó

O Conselho da Mulher Empreendedora e da Cultura (CMEC) da Facesp vai apoiar o projeto Abrace o Marajó, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

O anúncio foi feito pela presidente do CMEC, Ana Claudia Badra Cotait, durante encontro com empresárias, na sede da Hípica, em São Paulo. O evento contou com a presença da ministra Damares Alves.

“Para nós do Conselho da Mulher será um prazer apoiar esta causa tão importante. Vamos abraçar com muita força o Marajó”, afirmou Ana Claudia, que estava acompanhada pelo presidente da Facesp, Alfredo Cotait Neto. “Nosso foco é e sempre será o fomento ao empreendedorismo, mas quando nos associamos a um objetivo tão importante, agregamos valor ao Conselho e nos fortalecemos”, disse.

O programa Abrace o Marajó visa o combate ao abuso e a exploração sexual de crianças e adolescentes e a violência contra a mulher no Arquipélago do Marajó por meio de campanhas de conscientização.

Presidente da ACIB Mulher Barueri e coordenadora das ações do CMEC na Região Metropolitana Oeste, Telma Nascimento Ambrósio afirma que o apoio ao projeto será importante para o empoderamento das mulheres que dependem financeiramente dos agressores, com oportunidades de emprego e incentivo ao empreendedorismo. “Outro ponto é a inserção de jovens no mercado de trabalho e o apoio à família com a atração de empresas que promovam a renda e o desenvolvimento social”, completa.

A expectativa do Ministério é que a adesão do CMEC e demais entidades leve a parcerias público-privadas para as áreas de turismo, serviços e comércio da região.

Para a ministra, as ações conjuntas vão impulsionar o projeto lançado em julho deste ano. “Queremos que esta região se desenvolva, o povo tenha acesso a emprego, à informação, à presença do Estado. Desta forma, podemos ampliar nossas ações para proteger mulheres, crianças e outros grupos vulneráveis”, enfatiza a ministra.

O Marajó foi escolhido numa proposta de choque social que deve servir como laboratório para a implementação de ações em outros lugares do País. Além dos habituais reforços na rede de proteção das crianças, como a equipagem de conselhos tutelares e ações de enfrentamento à exploração, a novidade está na intenção de desenvolver o potencial econômico local.

Além do CMEC, o Abrace recebeu apoio da Liga das Mulheres Eleitoras do Brasil e da Virada Feminina.

Conscientização

Um dos principais desafios será o de conscientizar a população sobre os canais de denúncia. Nos últimos cinco anos, o Disque 100 (Disque Direitos Humanos) registrou 895 casos de abuso e exploração sexual na região e o Ligue 180 (Central de Atendimento à Mulher) recebeu 452 denúncias de agressão contra a mulher. Cerca de 80% delas afirmam que os crimes ocorreram dentro de casa.

Na avaliação do ministério, os números indicam uma subnotificação, o que indica a necessidade de maior divulgação dos canais.

Compartilhar esse Post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

POSTS RELACIONADOS :